Co-pertenencia y coexistencia en el efecto de la justicia espacial: un estudio de caso

Lohaine Jardim Barbosa

Resumen

Este artículo presenta algunas consideraciones preliminares de las discusiones que estoy embarcando en mi tesis doctoral, titulada "La razón por la sinrazón: para un espacio de Justicia co-pertenencia, de convivencia y de diferencia", en el que tratar de llegar a una relación satisfactoria entre el lenguaje literario de Arthur Rimbaud (aspectos subjetivos de la aprehensión del sistema mundial) y la lengua geográfica (conceptos - interpretación basada del sistema-mundo: el espacio, el lugar, el territorio), mientras postura de política experimental de una poética del espacio para el beneficio de moverse en discusiones epistemológicas geografía caro. En este artículo, condesa mi primer campo de impresiones, y trata de trabajar los conceptos de coexistencia y co-pertenencia en relación con la percepción del concepto de lugar geográfico. El pensamiento residencias terapéuticas como un "lugar" se analizan a partir de las relaciones que los pacientes yacían en los espacios de la casa en relación con su negocio, su rutina, sus relaciones sociales y las interacciones entre ellos y para el equipo se embarca en su cuidado.


Palabras clave

Justicia espacial; Lugar; Diferencia; Convivencia; Co-pertenencia

Referencias


AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cad. Saúde Pública, 1995, vol. 11(3), p. 491-494.

AMARANTE, P. O homem e a serpente: outras historias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996.

AMARANTE, P. (Coord). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BARBOSA, Lohaine Jardim. Rimbaud: um subalterno híbrido em Contexto Colonial?. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais. Acessado em 10 de agosto de 2015. Disponível em: <http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_4152_.pdf>. Acesso em: [08/10/2014].

BARROS, S.; BICHAFF, R. (Org.). Desafios para a desinstitucionalização: censo psicossocial dos moradores em hospitais psiquiátricos do Estado de São. São Paulo: FUNDAP, 2008.

BIRMAN, Joel. A Psiquiatria como discurso da moralidade. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1987.

BRASIL. Ministério da Saúde. Legislação em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério as Saúde. Portaria GM n. 106, de 11 de fevereiro de 2000. Instituios Serviços Residenciais Terapêuticos no âmbito do Sistema Único de Saúde para o atendimento ao portador de transtornos mentais. Diário Oficial da União, 2000.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Gestão municipal de saúde: leis, normas e portarias atuais. Rio de Janeiro, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n. 10.216, de 06 de abril de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: <http://www.saude.gov.br>. Acesso em: [12 agosto 2015].

BRASIL. Portaria n. 44, de 10 de janeiro de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: <http://www.saude.gov.br>. Acesso em: [12 agosto 2015].

BRASIL. Ministério as Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Residências terapêuticas: que são. Para que servem? Brasília, DF. 2004.

BRASIL. Ministério as Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços em Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, DF. 2005.

BRASIL. Ministério as Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Coordenação de Saúde Mental, Álcool e Drogas. Saúde Mental em dados 6 (Ano 4). Brasília, DF. 2009.

BRASIL. Saúde Mental em Dados 7. Brasília, 2009. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/smdados.pdf>. Acesso em: [14 agosto 2015].

BRAWLEY, Lisa. La pratique de la justice spatiale en crise. Justice Spatiale/Spatial Justice, 2009, nº 1, p. 9-34. Disponível em: <http://www.jssj.org>. Acesso em: [22 de agosto de 2015].

BRET, Barnard. L'universalisme rawlsien confronté à la diversité du reel traduction: Claire Hancock. In: Justice Spatiale/Spatial Justice, 2009, n° 1. Disponível em: <http://www.jssj.org>. Acesso em: [15 agosto 2015].

CANGUILHEM. George. O Normal e o Patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CUNHA, Maria Clementina Pereira da. O espelho do mundo: Juquery, a história de um asilo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

DARDEL, Eric. O homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, vol. 2, 1995.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, vol. 3. 1996a.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, vol. 4. 1996b.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, vol. 5, 1997.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2007a.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2007b.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. I. São Paulo, Editora 34. 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

FOUCAULT, Michel. A História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1997.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. A Vida dos Homens Infames. In: MOTTA, Manoel Barros da. (Org.) Estratégia, poder-saber/Michel Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. O poder psiquiátrico. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, Clifford. O Saber Local: Novos ensaios em antropologia interpretativa. Petropolis: Vozes, 2008.

GOULART, M. S. B. A construção da mudança nas instituições sociais: a Reforma Psiquiátrica. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2006. Disponível em <http://www.ufsj.edu.br/portalrepositorio/File/revistalapip/A_Construcao_da_Mudanca_nas_Instituicoes_Sociais..._-MSB_Goulart.pdf>. Acesso em: [15 agosto 2015].

GOULART, M. S. B. As raízes italianas do movimento antimanicomial. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

GOULART, M. S. B.; DURÃES, F. A reforma e os hospitais psiquiátricos: histórias da desinstitucionalização. Psicologia & Sociedade, 2010, vol. 22 (1), p. 112-120. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v22n1/v22n1a14>. Acesso em: [16 agosto 2015].

HAESBAERT, Rogério. Territórios Alternativos. São Paulo: Contexto, 2012.

LEFEBVRE, Henri. Le manifeste différentialiste. Paris: Gallimard, 1970.

LEFBVRE, Henri. A Vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo, Editora Ática, 1991.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2006.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e política. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2008.

MARCUSE, Peter. Spatial justice: derivative but causal of social injustice. In: La justice spatiale : à la fois résultante et cause de l’injustice sociale, 2009. Disponível em: <http://www.jssj.org>.

MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MASSEY, Doreen. La filosofia e la politica de la espacialidade: algunas consideraciones . In: Albet, A.; Benach, N. (Org.). Doreen Massey–Um sentido global del lugar. Barcelona: Icaria Editorial, 2012.

MASSEY, Doreen; KEYNES, Milton. Filosofia e política da espacialidade: algumas considerações. In: GEOgraphia, 2004, ano 6, nº 12. Disponível em: . Acesso em: [6 setembro 2015].

MOREIRA, M. I. B. Se esta casa fosse minha: habitar e viver na cidade a partir de uma residência terapêutica. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo : Companhia das Letras, 2009.

OLIVEIRA, J. R.; Wenceslao Machado de. Imaginação e Pesquisa: apontamentos e fugas a partir dá poética do espaço. Educ. Soc., Campinas, 2008, vol. 29, nº 105, p. 1237-1245. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: [13/09/2014].

PELBART, Peter Pál. A nau do tempo-rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

RAWLS, John. O liberalismo Político. São Paulo: Atica, 2000.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

RAWLS, John. Justiça como Equidade: uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

RANCIÈRE, J. Políticas da Escrita. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org: ED, 34, 2005.

RANCIÈRE, J. Os Nomes da História: Ensaio de Poética do Saber. São Paulo: EDUC/Pontes, 1994.

RIBEIRO NETO, P. M. Convivendo com residências terapêuticas: concepções sociais, processos identitários e relações intergrupais. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

RIBEIRO NETO, Pedro Machado. Identidade social e desinstitucionalização: um estudo sobre uma localidade que recebe residências terapêuticas no Brasil. Saúde Sociedade, 2015, vol. 24, nº 1, p. 204-216.

RIMBAUD, Arthur. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Editora Topbooks, 1994.

RIMBAUD, Arthur. Uma Temporada no Inferno. Porto Alegre: L&PM, 2001.

RIMBAUD, Arthur. Iluminuras: gravuras coloridas. São Paulo: Editora Iluminuras, 2002.

SOJA, La ville et la justice spatiale. Justice Spatiale/Spatial Justice, 2009, nº 1, p. 35-44. Disponível em: <http://www.jssj.org>. Acesso em: [2 setembro 2015].

SOUZA, Adauto de Oliveira. Transfazer o espaço: ensaios de como a literatura vira espaço e vice versa. Dourados: UFGD, 2011.

TENÓRIO, F. A reforma psiquiátrica brasileira da década de 1980 aos dias atuais: histórias e conceitos. História, Ciência, Saúde-Manguinhos, 2002, vol. 9, nº 1, p. 25-59.

TODOROV, Tzvetan. Poética da Prosa. São Paulo; Martins Fontes, 2003.

TUNDIS, S. A.; COSTA, N. do R. (Org.). Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil. Petrópolis: Vozes/ABRASCO, 1987.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

TUAN, Yi-Fu. Human Goodness. Madison: The University of Wisconsin Press, 2008.

VASCONCELOS, E. M. Do hospício à comunidade: mudança sim, negligência não. Belo Horizonte: SEGRAC, 1992.

VEYNE, Paul. Foucault revoluciona a história. In: Como se escreve a história. Brasília: EUB, 1982.

ZANOTELLI, Claudio Luiz. Geofilosofia e geopolítica em Mil Platôs. Vitória: EDUFES, 2014.

ŽIŽEK, Slavoj. Slavoj Žižek: um rebelde com causa. Entrevista a Luiz Antônio Araújo do jornal Zero Hora. Disponível em: <http://wp.clicrbs.com.br/olharglobal/2013/02/23/slavoj-zizek-um-rebelde-sem-causa/?topo=13%2C1%2C1%2C%2C%2C13>. Acesso em: [2 agosto 2015].




DOI: https://doi.org/10.14198/GEOGRA2017.8.97





Copyright (c) 2017 Lohaine Jardim Barbosa